domingo, 5 de fevereiro de 2017

Umili progettista...







Como humilde projetista e construtor, edifiquei uma frágil plataforma de carinho que me colocou meramente diante de ti... na esperança de que um dia me convidasses a conhecer, a pouco e pouco mais, tuas grandezas, teus segredos, teus mistérios, a vida que flui de ti, e tuas profundidades!...

20 comentários:

  1. Olá, Occhi de bambino!

    É dessas humildes construções de k todo o mundo precisa, tendo cada qual sua estrutura e finalidade.

    As tuas é para conheceres os "mistérios", à superfície e em profundidade dela, mas não vai ser fácil, mesmo tu sendo psicólogo, pke mulher não é um livro aberto", bem pelo contrário, como sabes. Sugiro, então, que continues as "pesquisas", pke desistir demonstra desinteresse, e isso é aquilo que tu não tens, e pode tb revelar fraqueza, característica, que não te assenta.

    Beijos e boa semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, CÉU!
      Sim, fico a pensar se serei eu o psicólogo aqui... (risos) Interpretaste muito bem, minha cara. Somente umas poucas construções dos seres humanos são para conhecimento de outrem. A ponte é uma delas. Se há ponte, há o desejo de conhecimento e vivência no outro lado. Pessoas procuram construir pontes para outras pessoas ou, não raro, para dar a outras pessoas caminho para as conhecerem. Uma doca é uma ponte só iniciada, porque ela jamais pretenderia chegar ao outro lado do mar. Constroem-se docas quando o encanto é imensurável, a pessoa é infinitamente bela, e a timidez se apresenta. Então, a comparação é esta: a mulher alvo de um apaixonado o vê construir essa frágil doca; e ele pretende conhecê-la melhor esperando um convite dela para tal.
      Friso que não é uma proposta minha para alguém específico, é um poema simbolizando um apaixonado diante do belíssimo caráter de sua amada, que para ele é um mar profundo de mistérios.
      Se eu iniciasse, de fato, tal construção, deveras, não pesquisaria em outro lugar, nem lançaria ao ar, mas perguntaria dela mesma, e não desistiria, porque de amar não se desiste.
      Um beijo e ótima semana a ti

      Luc

      Excluir
    2. Olá, Luc (Lucas, será)?

      Não sou Psicóloga, meu querido, mas estudei por dois anos Psicologia Comportamental, pke me fazia "falta", pke eu queria, melhor dizendo, entender certas atitudes e tb pke se integrava nas minhas formações académicas superiores, na minha área - Humanidades.

      Entendi, perfeitamente, o teu brilhante raciocínio, que até parecia vir da parte de um famoso engenheiro civil, qdo dissertaste sobre docas e pontes. Então, e os muros (sou tão "provocadora"? (rs). Por vezes, são precisos, acrescento!

      Não sei se deva acreditar no teu "friso", não sei (rs), mas pke não te conceder o benefício da dúvida? Sabes, Luc (eu sei k sabes), nem sempre é fácil dar a conhecer o nosso amor à outra pessoa, pois ela se mostra indiferente, não sei se de propósito ou não, se tem até motivos para tal, contudo, estou, inteiramente, de acordo contigo qdo afirmas que nunca devemos desistir do amor e de amar. Alors, touche ma main! So, touch my hand! You are together.

      Beijos, dias de mto amor, paz e luz.

      Excluir
    3. Ciao, CÉU
      Meu nome é Marco Lucio, as pessoas me chamam de Lucca ou Luc.
      Muros por vezes são necessários. Dos poemas de Emili Dinckson, os quais amo, um fala sobre a porta do coração, que permite a passagem de apenas uma pessoa, e depois se tranca, surda aos clamores de quem quer que seja, mesmo príncipes ou princesas. Pessoas que agem assim, mesmo em extremada solidão, dificilmente se proporão a alguém. Muro é o que cerca e impede saídas ou entradas. Vou escrever um pensamento sobre isso, mais adiante.
      Cara, não podes conceder o benefício da dúvida a alguém sobre quem a dúvida não paira. (risos).
      Vê, falamos de coisas antagônicas: falo do tímido que constrói uma doca, e tu falas de um mar que não se abre por indiferença do observador. No caso de doca, o mar há de perceber que quem constrói docas quer viajar e, portanto, não lhe é indiferente.
      Quanto a ser indiferente, as pessoas o são com conhecimento. Indiferente sem conhecimento de que está sendo indiferente é melhor chamado de desatento. Se alguém é indiferente apenas ao que demonstras e não a outras coisas, deves deixá-lo seguir o caminho, tu lhe és indiferente.
      Um beijo

      Luc

      Excluir
  2. Obrigada pela visita em meu blog e pelos comentários. Boa sorte no seu projeto.Boa noite.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu é que agradeço postagens tão edificantes e enriquecedoras. Tu és uma excelente pensadora.
      Quanto ao 'projeto', a resposta é que não há projeto. (Sorriso). É uma pequena frase-poesia, colocando na boca de um apaixonado tímido ou excessivamente apaixonado, o que ele diria à sua amada. Como respondi acima, é apenas uma criação. Tenha um dia abençoado. Um abraço

      Luc

      Excluir
    2. Eu excelente pensadora? Obrigada! Quando me aborreço ou estou feliz eu escrevo...Uma escrita carregada de variadas emoções.
      Um bom dia.

      Excluir
    3. Na preocupação de ter me equivocado, fui ao teu blogue e constatei que são mesmo tuas as postagens. São pensamentos excelentes. Muito reflexivos: alguns de muito sugestiva complexidade; outros, ainda que olhando a questão por apenas um ângulo, carrega boa razão para tal visão; outros ainda, de uma simplicidade muito verdadeira. És uma excelente pensadora.
      Se isso se dá por aborrecimento ou felicidade, extremos das emoções, é ótimo saber. (sorriso)
      Bom dia!

      Luc

      Excluir
    4. Eu entendi sua resposta sobre a sua postagem e esqueci de comentar anteriormente.
      No meu blog eu posto alguns textos de outros autores, e os que estão com o meu nome são de minha autoria. Boa tarde.

      Excluir
    5. Nem sei o que dizer sobre o seu elogio, fiquei sem palavras... Me deu incentivo.Obrigada. Boa tarde.

      Excluir
    6. Eu observei que há pensamentos de outros autores, e percebi que aqueles a que me referi são teus. Boa tarde.

      Excluir
    7. Que bom que te incentivou. Escreverás mais do lado feliz que do lado zangada. (risos) Um abraço. Boa tarde.

      Excluir
  3. Ciao Occhi de bambino! Adorei o texto e a imagem. Boa semana :)

    ResponderExcluir
  4. Quem constrói uma ponte até o fim, sai de um ponto e inevitavelmente alcança o outro, já uma doca ou um cais, não. Ele reflete a esperança de que um barco se aproxime, para então, alguém embarcar, ou desembarcar. Quem o constrói não impõe sua vontade, mas faz um convite, e aguarda calmamente (carinhosamente) que alguém o aceite, que um barco se aproxime. Tenho uma tendência a imaginar, e descreveste a ideia central de forma tão tranquila, tão terna, que teu texto me levou a imaginar como seria me sentar na beira de um cais observando o movimento das ondas de um mar tranquilo abaixo dos pés... Foi lindo teu texto.
    Saudades de ti.
    Um terno abraço e um beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso, minha querida. Essa frágil projeção de madeira, que mal arranha a praia do mar, representa muito bem um tímido convite a que o mar se desvende. Penso que é belo esse reconhecimento da complexidade do outro, e da imensidão do sentimento, diante do qual não somos mais que madeiras amontoadinhas... (risos) Sentar numa doca, sentar num cais, sentir o ar, o sal, a brisa, os rumores, os choques das águas nas estacas, os pássaros... - tudo isto é delicioso demais. O mar me parece mesmo um convite para dois. Gratíssimo a ti. Saudades. Saudades de ti, moça!
      Un abbraccio, un bacio cara

      Excluir

Teu comentário é peça chave no que me inspira a escrever.